CELULITEESTÉTICAESTÉTICA 2PARA O SEU CORPO

Celulite (Lipodistrofia ginóide)

Cirurgia plástica post-celulite

Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, oito em cada 10 mulheres independentemente do peso que apresentam, após a puberdade e por uma série de fatores, têm algum grau de celulite, que nada mais é do que depósito de gordura sob a pele que, por sua vez, adquire um aspecto ondulado, comumente estabelecido nos quadris, coxas e nádegas. Dividido em três graus, dependendo da profundidade dos buraquinhos e até da consistência da pele (mais firme ou mais flácida), embora sua causa não seja plenamente conhecida, ela não é uma doença. Mas devido ao aspecto antiestético, prejudica a autoestima e a confiança feminina. Contudo, há tratamentos que podem eliminar ou minimizar o problema, desde que combinados entre si, com alterações na dieta e prática de exercícios fiscos. Entre eles destacam-se:

Drenagem linfática – Indicada para todos os graus de celulite, a drenagem linfática é uma massagem voltada à eliminação tanto de líquidos acumulados nos tecidos quanto de pequenos nódulos de gordura aprisionados, o que ainda acaba com a sensação de inchaço.

Massagem modeladora – Ela atua tanto sobre o sistema linfático quanto sobre as placas de gordura. Consequentemente, ao promover a vasodilatação, também aumenta a oxigenação local e acelera a velocidade de metabolização, o que também diminui a flacidez. Normalmente é indicada para todos os graus de celulite, desde que o problema esteja associado a gordura localizada. No entanto, não consegue ser muito eficiente nos casos em que a celulite surge por flacidez ou carga genética.

Creme anticelulite – Em geral, opções com retinoides, castanha da Índia, extrato de chá verde e diversas outras composições, promovem a quebra da gordura local, a melhora da microcirculação e o estímulo à produção de colágeno, o que melhora a celulite, desde que, aliados a uma alimentação equilibrada, prática regular de exercícios e outros tratamentos.

Endermologia – O tratamento não invasivo, recomendado nos graus moderados e graves, usa um aparelho motorizado composto por um sistema de sucção e dois rolos, que ao se movimentarem sobre a superfície afetada, estimula a circulação e promove a drenagem linfática, o que diminui a celulite, enquanto também realiza uma leve esfoliação que elimina as células mortas do local em que é aplicado. No desenrolar do tratamento, a pele fica com menos irregularidades e uma aparência renovada.

Radiofrequência – Indicado para todos os graus de celulite, inclusive quanto há flacidez associada, é um dos tratamentos não invasivos mais eficazes e duradouros, pois o aparelho utiliza uma radiação eletromagnética de alta frequência que faz com que as moléculas de água se agitem, aumentando a temperatura local e a produção do colágeno. Ao mesmo tempo, ele diminui as traves fibrosas que retraem o tecido e deixam a pele cheia de furinhos, reestruturando-a de maneira mais intensa.

Mesoterapia – De acordo com a indicação de um dermatologista, a técnica utiliza um coquetel de medicamentos para diminuir a gordura no local tratado. No entanto, o tratamento deve ser associado a um treino regular, a alta ingestão de líquidos e a uma alimentação equilibrada.

Laser – O tratamento invasivo só deve ser feito por um especialista, porque depende de anestesia local que amenizam a dor na realização de pequenas incisões, pelas quais são inseridas cânulas com a fibra ótica do aparelho que, por sua vez, destroem a gordura localizada, quebram os septos fibrosos que conferem o aspecto irregular e estimulam a produção de colágeno, deixando a pele mais firme e com maior elasticidade.

Carboxiterapia – A maioria dos dermatologistas não apoia esse tratamento que, originalmente, foi criado para tratar úlceras na pele (por meio de injeções de dióxido de carbono que melhoram a circulação sanguínea e a oxigenação dos tecidos, fazendo com que as feridas se fechem mais rapidamente) e, em seguida, transposto para o meio estético, devido à ação vasodilatadora que poderia reduzir a flacidez e as irregularidades decorrentes da celulite, principalmente, porque pouco se sabe sobre a eficácia e a segurança do método.

Ultrassom com lipolíticos – O efeito mecânico e/ou térmico do ultrassom lipolítico tem sido bastante usado no combate à celulite e a gordura localizada. Embora a promessa do tratamento seja realizar modificações nas ligações intercelulares e aumentar a permeabilidade da membrana celular, ele ainda desperta desconfiança no meio médico, pois poucos estudos foram feitos para provar sua real eficácia.

Gesso liporredutor – Apesar da falta de comprovação científica da sua eficácia, o tratamento consiste em uma mistura de substâncias que endurecem quando aplicadas sobre a pele, momento em que promove aquecimento, vasodilatação e melhor penetração de princípios ativos, entre os quais a cafeína que quebra a gordura, estimula a microcirculação e drena o líquido acumulado. Indicado para graus mais avançados de celulite depende de pelo menos 10 sessões para apresentar resultados.

Comment here